Carro sem mistério

Como diferenciar um veículo 4×4 entre tantos SUVS e crossovers?

Suzuki Jimny Sierra (divulgação)

Em um mundo dominado por SUVs e crossovers, ainda reina a dúvida: como escolher um verdadeiro 4×4 para acessar áreas mais remotas, fazer uma trilha ou até mesmo participar de um rali? Com base nisso, mostramos a seguir um guia simples para você entender como funciona o sistema 4×4 e como escolher o melhor carro de acordo com suas necessidades.

Troller T4 2019
  • 4×4, o que é e como funciona?

Diferente dos carros convencionais, e muito dos SUVs e crossover que vemos atualmente, um 4×4 tradicional distribui a força gerada pelo motor entre as quatro rodas, dependendo da situação. Normalmente esses veículos têm tração 4×2 traseira e acionam o 4×4 por meio de alavancas ou botões elétricos para engatar os dois eixos. Em situações extremas, há ainda o 4×4 Low (reduzida) que permite ao veículo sair de atoleiros, barrancos e em alguns casos até de imersões em água.

Jeep Renegade Trailhawk (divulgação)

Já a tração integral, também chamada pela sigla AWD (All-Wheel Drive), a distribuição de torque é feita de forma automática e não pode ser alterada pelo motorista. Outro ponto para diferenciar um 4×4 de um carro comum, mesmo que seja um SUV é sua altura e seus pneus. As bandas de rodagem dos pneus de carros 4×4 contam com ranhuras diferentes de pneus tradicionais, trazendo vários pequenos blocos de borracha, o que garante mais tração em terrenos lamacentos, ou superfícies mais íngremes. A maior altura do solo é necessária para vencer obstáculos e depressões e por isso é importante verificar os ângulos de entrada (ou ataque) e saída para saber até que ponto esse veículo consegue circular em pisos muito irregulares.

  • Diferenças entre um 4×4 e um carro comum:

Geralmente os carros de passeio – como hatches, sedans e alguns SUVs – utilizam o sistema de tração dianteira, mais simples, porém, pouco indicados para situações em ambientes sem infraestrutura. Os carros de passeio são, no entanto, mais fáceis de guiar e apresentam uma tendência de sair de frente em curvas, que pode ser corrigida reduzindo a velocidade. Já os 4×4, por serem tracionados no eixo traseiro, têm tendência a sair de traseira, cuja correção é mais complicada.

Mercedes-Benz Classe G (divulgação)

Os 4×4 tradicionais também são construídos com a união de um chassi e uma carroceria, o que implica numa rigidez inferior e mais peso no final. Outra característica desses veículos é o centro de gravidade elevado por conta dessa configuração. Isso faz com que um modelo assim incline mais em curvas, o que pode soar desagradável para muita gente. Algumas suspensões são também mais simples e robustas, utilizando feixe de molas. Com isso, o conforto a bordo é afetado.

  • O que observar ao comprar um 4×4?

Uma das coisas mais importantes na hora de se comprar um veículo, é saber em que tipo de via ele vai rodar. E isso vale não só para os carros com 4×4, mas para os esportivos, compactos, sedans e afins. Se no seu caso você vai usar o carro mais para ir no sítio da família no interior aos finais de semana, opte por modelos com tração integral, que garantem a valentia necessária em terrenos mais acidentados e têm conforto para as tarefas diárias durante a semana no trânsito da cidade.

Land Rover Discovery (divulgação)

Já se você for do tipo mais aventureiro, que vive atrás de trilhas e não se importa se o carro vai ficar cheio de lama, a melhor pedida são os modelos 4×4 tradicionais. Com esses modelos, você terá desempenho adequado ao passar por pedras grandes, subir pequenas ladeiras íngremes e passar por rios rasos. Só não espere muito conforto na cidade, pois esses modelos tendem a usar uma suspensão mais rígida do que carros de passeio.

Land Rover Discovery (divulgação)

Outro ponto a ser estudado antes da compra do seu 4×4 é se o modelo tem espaço para bagagens, seja ela interna ou externa. Em alguns modelos por exemplo, o estepe fica pendurado na tampa do porta-malas, para liberar mais espaço no bagageiro, enquanto que outros usam pneus com sistema run-flat como o novo Ford EcoSport, que dispensam o uso de estepes a mostra. Ainda existem modelos com bagageiros no teto que podem carregar ainda mais peso. Os 4×4 tradicionais também podem rebocar implementos, o que é uma enorme ajuda, dependendo do seu uso.

Land Rover Defender (divulgação)

Um item também interessante a ser verificado é o tipo de motorização, uma vez que a maior parte dos 4×4 utilizam diesel. Isso quer dizer que dependendo do combustível você vai visitar mais o posto ou não. E na questão mecânica também é importante ficar de olho no quesito reparo e custo de peças de reposição. Tendo em vista todos esses fatores, há várias opções no mercado, do pequeno Jimny ao Pajero Full, por exemplo. É escolher o seu e boa diversão.

Sobre o autor

Joquinha

Joquinha

Comente

Clique aqui para comentar