Curiosidades

A cerâmica como parte fundamental do sistema de freios

Audi RS6 Avant (divulgação)

A rigor, os sistema de frenagem é composto por discos e pastilha de freios fabricados com material metálico. No entanto, existem componentes feitos com cerâmica, geralmente são utilizados em carros esportivos, como no Audi RS6 Avant, ou no Chevrolet Corvette. Mas, afinal, o que faz os freios de cerâmica tão superiores aos sistemas comuns?

Freios de Cerâmica (divulgação)

Pensando nisso, elaboramos um pequeno guia para explicar a diferença entre os discos de cerâmica, e os convencionais, além de algumas dicas de manutenção e custos desse tipo de freio.

  • Do que é o de freio de cerâmica?

Como o nome mesmo diz, os freios de cerâmica são feitos de material inorgânico não-metálico, duro e resistente à compressão, porém, pouco resistente à tração e ao corte por molde.

Freio Bugatti Veyron (divulgação)

Mas acima de tudo, são materiais capazes de resistir a altíssimas temperaturas, entre 1.000ºC e 1.600ºC. É isso que os torna apropriados para o uso automobilístico de alto desempenho. E assim como qualquer freio, os de cerâmica reduzem a velocidade do carro pressionando as pastilhas contra os discos, gerando atrito que transforma a energia cinética em energia térmica.

Embora as ligas metálicas usadas nos discos de freio – como ferro, grafite, silício e carbono – suportem bem as altas temperaturas das frenagens de alta velocidade, elas também são muito boas em conservar calor, e isso afeta a eficiência da frenagem porque a temperatura faz decair o coeficiente de atrito das pastilhas e dos discos, além de ajudar a superaquecer o fluido de freio por convecção.

  • Quais são as vantagens dos freios de cerâmica?

Por aguentarem mais calor do que os freios feitos tradicionais, os freios de cerâmica possuem as seguintes vantagens:

  • Maior rendimento
  • Maior durabilidade e resistência
  • Menor ruído durante a frenagem
  • Mantém eficiência na chuva – não absorvendo água
  • Menor chance de “fading” – conseguem manter a constante de atrito constante por mais diferença de temperatura.
  • Não suja o pneu pois não gera pó decorrente da frenagem – não possui componentes metálicos – não tóxico.
Chevrolet Corvette (divulgação)
  • Quais são as desvantagens dos freios de cerâmica

 

  • Alto preço – Embora os discos tenham uma vida útil de seis a oito vezes maior que os convencionais, eles custam muito mais: o disco dianteiro da Audi RS 6 Avant pode passar dos R$ 23.000.
  • Deve acompanhar um disco de freio cerâmico para maior rendimento.
  • O sistema deve estar aquecido para alcançar sua máxima eficiência.
BMW M8 (divulgação)
  • Como é feita a manutenção desses discos?

Por conta de sua alta performance, os discos de freio de cerâmica exigem cuidados específicos, sobretudo na hora de trocar o pneu. Nos veículos com freio de cerâmica é recomendado usar um pino-guia na hora de colocar a roda sobressalente.

Audi RS4 Avant (divulgação)

Isso impede que o aro atinja o disco, que pode se quebrar facilmente com o impacto. Essa característica é um efeito colateral de sua tamanha durabilidade. Um ponto negativo é quando os freios não são utilizados em sua totalidade.

Como eles são feitos para aguentar frenagens em altas velocidades – e consequentemente altas temperaturas – eles podem ter um ruído de frenagem em uso urbano muito maior, além de ter uma eficiência ligeiramente menor quando os discos estão frios.

** Assim como qualquer outra parte do automóvel, os freios devem receber manutenção periódica de acordo com as instruções do manual do proprietário. Procure sempre por peças originais e leve seu veículo em centros especializados para a manutenção preventiva. **

Siga a Jocar

Acompanhe nossas redes sociais!

Video

Fusíveis automotivos - para que servem e como trocar